Você Sofre Por Sentir Ciúme Exagerado? Saiba que você não precisa mais sofrer, ciúme doentio tem tratamento. - Giorgia Matos Psicanalista
Você sofre por sentir um ciúme exagerado?

Você Sofre Por Sentir Ciúme Exagerado? Saiba que você não precisa mais sofrer, ciúme doentio tem tratamento.

Se você respondeu afirmativamente, aí vai outra pergunta: Seu ciúme é normal ou patológico?

Talvez você não saiba a diferença entre ciúme normal e patológico. Talvez você não saiba onde exatamente seu ciúme deixa de ser normal para se tornar um transtorno.

Quem sabe você nem saiba que o ciúme tem uma causa. Pois é, você não sente ciúme exagerado do nada. Ele tem uma razão de existir. E ele também tem tratamento.

Ninguém precisa sofrer por ciúme eternamente e muito menos morrer por causa disso. Todo esse sentimento de desespero, desesperança, inferioridade, dor, apatia, medo e tudo o que acompanha o ciúme patológico pode e deve acabar. E para isso bastam alguns ajustes psicológicos.

Para começar, entenda um pouco a diferença entre o ciúme normal e o doentio.

O ciúme dito normal é aquele em que há a ocorrência, mesmo que sutil, do motivo que o ocasionou, do fato real. É o medo de perder o outro. Um medo normal, específico e transitório. Passada a situação, passa o ciúme. Sem maiores transtornos, sem ressentimento e sem ruminação. É um ciúme tranquilo, brando, passageiro e que não causa muita dor.

O próprio Freud já afirmava: “ O ciúme é um dos estados afetivos que, como o luto, podem ser designados como normais. Quando parece estar ausente no caráter e na conduta de alguém, justifica-se concluir que sofreu uma forte repressão e, por isso, tem um papel maior na vida psíquica inconsciente”. Trocando em miúdos: todo mundo sente ciúme. E aquele que diz não sentir, está reprimindo um sentimento que mais tarde vai trazer problemas.

O ciúme torna-se um problema quando ele está prejudicando a vida do ciumento em todos os aspectos: conjugal, familiar, profissional e social. É quando o ciumento começa a apresentar comportamentos bizarros à procura de provas, a fiscalizar, exigir senhas das redes sociais, aparecer em horários inoportunos no ambiente de trabalho do parceiro, fazer cobranças descabidas, tudo isso a procura de provas de uma suposta traição. E isso toma um bom tempo da vida e da rotina do enciumado, além de causar prejuízo no relacionamento.

O ciumento patológico tem um verdadeiro sentimento de posse, onde cada passo do outro tem que ser reportado. Ele tem sentimentos e comportamentos de controle muito exagerados. E ele sofre com isso. Passa a ter taquicardia, sudorese, insônia, tensão muscular, gastrite, etc. Só em imaginar que está sendo traído.

O ciúme patológico transforma a vida do enciumado, do parceiro e de todos os que convivem com eles, sejam familiares ou amigos. Todos os envolvidos, de alguma forma, sofrem com a situação. Isso porque o enciumado fantasia, delira e tem plena convicção de estar sendo traído. Nada nem ninguém consegue tirar essa ideia fixa de sua cabeça.

E são várias as possíveis causas psicológicas da pessoa apresentar um sentimento de ciúme excessivo. Algumas delas são: Ele ter presenciado cenas de ciúme exagerado dos pais – em sua infância – e considerar aquele comportamento normal; ter, de alguma forma, sofrido abandono na infância; ter sofrido bullying; ter sofrido abuso físico ou psicológico; ou até mesmo ter sofrido traições em relacionamentos anteriores.

Tudo isso e mais outras causas igualmente importantes provocam uma série de sintomas como baixa autoestima, complexo de inferioridade, pouca confiança em si mesmo e nos outros, insegurança, etc. Que afetam diretamente sua forma de pensar, sentir e agir.

No DSM-5 (Manual Estatístico e Diagnóstico dos Transtornos Mentais) o ciúme patológico é mencionado em, pelo menos, quatro transtornos: Transtorno Obsessivo Compulsivo, Transtorno Delirante, Transtorno Paranóide e Transtorno Borderline. Por aí se conclui a gravidade da situação.

Mas, e a pergunta que não quer calar: Tem tratamento?

Tem sim. Além de um bom psicanalista ou psicólogo, que vão trabalhar, cada um com sua técnica, a busca da causa e a eliminação dos sintomas, pode-se, ainda, procurar um psiquiatra para avaliar a necessidade da introdução de fármacos, que serão utilizados em conjunto com a terapia.

O ciúme patológico é um transtorno doloroso não só para quem o sente, mas também para quem convive com o ciumento. A boa notícia é que tem tratamento. 

Por isso, se você se identificou com um ciúme exagerado, procure ajuda. Ninguém merece viver uma vida de dor. A vida é curta, mas viver assim a torna longa, longa de muito medo e sofrimento desnecessários.

Dica de leitura: Ciúme Patológico, passando dos limites

Adquirir através do site: www.giorgiamatos.com

4 Compart.